Artigos Anteriores

AVALIAÇÃO EQUIVOCADA

ANO XIV - Nº 007/14 -

AVALIAÇÃO DO PRESIDENTE TEMER

No último sábado, 12 de maio, o presidente Temer completou dois anos a frente do governo brasileiro. Ao longo deste período, como mostram todas as pesquisas feitas desde então, a avaliação -ótima ou boa- do seu governo nunca foi superior a 6%, enquanto a -ruim ou péssima- sempre esteve na ordem de 70%.

PESSOA FÍSICA E PESSOA JURÍDICA

Pois, no meu entender, os entrevistados pelos institutos de pesquisa, não conseguem separar o que o presidente Temer fez, em termos de ações/decisões propostas e/ou tomadas ao longo desses dois anos, como -PESSOA JURÍDICA INSTITUCIONAL-, daquilo que representam -suspeições- quanto a eventuais (e sempre possíveis) atos de corrupção envolvendo a figura do presidente como -PESSOA FÍSICA-. 

MATRIZ ECONÔMICA BOLIVARIANA

Vejam que no aspecto estritamente GERENCIAL, só o fato de o Brasil ter se livrado da  MATRIZ ECONÔMICA BOLIVARIANA, já seria o bastante para que o governo Temer recebesse nota altíssima. Caso o mostrengo fosse mantido o Brasil estaria, inevitavelmente, sendo confundido com a arruinada Venezuela.

LEIS APROVADAS

A partir daí, se forem levadas na devida conta as medidas que o governo Temer conseguiu aprovar para o bem do nosso país, como é o caso da lei do Teto dos Gastos Públicos, da Lei Trabalhista, da Lei das Estatais, da nomeação de técnicos para comandar as empresas públicas, notadamente Petrobrás,  BNDES, Banco do Brasil e Eletrobrás, etc., a nota que deveria receber seria algo como 9,9.

ATOS DE CORRUPÇÃO

Mais: gostem ou não do presidente Temer, o fato é que ao longo desses dois últimos anos de seu governo não há registro algum de atos de corrupção praticados nas empresas públicas supracitadas. Observem que todos os casos descobertos e/ou em fase de investigação datam de anos anteriores.

NA MESMA FOSSA

Bom seria se neste breve período de dois anos Temer tivesse conseguido aprovar a Reforma da Previdência. Apesar de ter se esforçado bastante para tanto, a maioria dos deputados federais resolveu empurrar com a barriga aquilo que, indiscutivelmente, representa o MAIOR ROMBO DAS CONTAS PÚBLICAS DO PAÍS. 

Ou seja, o povo avaliou o presidente Temer apenas com base nas suspeições de seu (possível) envolvimento em casos de corrupção. O seu governo, que é um dos melhores dos últimos 50 anos, foi colocado na mesma fossa. Pode?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • SERVIÇOS

    A receita real de serviços, que se refere à evolução do volume da atividade no setor em termos reais, descontada a inflação (deflacionado), caiu 0,2% em março em relação a fevereiro, na série com ajuste sazonal. Na comparação com um ano antes, houve uma queda de 0,8%, mantendo a sequência de taxas negativas desde abril de 2015.
    Com isso, a receita real do setor acumula quedas de 1,5% no ano e de 2,0% nos últimos 12 meses, até março. Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada pelo IBGE.

  • SELIC

    Há razões para o Banco Central não cortar os juros, mas a tendência é que a sinalização de uma última redução
    da Selic seja respeitada pelo Copom nesta quarta-feira, levando a taxa a uma nova mínima, a 6,25%. Essa é a opinião da maior parte dos analistas ouvidos pela Bloomberg nos últimos dias, em meio à disparada do dólar, nova oferta de swap e grandes oscilações na precificação extraída da curva de juros. Entre eles, também há a expectativa de que o Copom adotará linguagem prudente, acenando que o alívio acabou em função do atual
    quadro. (Bloomberg)

FRASE DO DIA

Quando o jogo termina, o rei e o peão voltam sempre para a mesma caixa.

Provérbio italiano