Artigos Anteriores

ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES - COMENTÁRIOS

ANO XIV - Nº 007/14 -

LIVRO E ENTREVISTA

Depois de ter assistido atentamente à entrevista concedida pelo ex-titular da Secretaria Nacional de Justiça, Romeu Tuma Jr, à TV Cultura, e, finalmente, ter concluído (ontem) a leitura do livro - Assassinato de Reputações - Um Crime de Estado - faço os seguintes comentários:

PEÇAS QUE SE ENCAIXAM

Entendo, primeiramente, que tanto a entrevista concedida por Tuma Jr, quanto o livro, que escreveu em parceria com o jornalista Claudio Tognolli, são peças que se encaixam, perfeitamente, na lógica do raciocínio de quem tem conhecimento dos reais propósitos do Foro de São Paulo. Até aí nada há de novo.

FONTE

Aliás, o que mais me chamou a atenção é que Tuma Jr, nas mais diversas denúncias que faz no livro, e repetiu na TV, em nenhum momento mencionou que a fonte de inspiração petista, quanto, por exemplo, às técnicas adotadas de PLANTAR INFORMAÇÕES NA MÍDIA, vitaminadas com altas doses de mentiras, é o Foro de São Paulo.

DOUTRINA

Ora, se levarmos em conta que Romeu Tuma Jr, além de policial experimentado também ocupou o importante cargo de Secretário Nacional de Justiça, o mínimo que deveria saber (e expor) é que a doutrina empregada e desenvolvida pelo PT foi urdida nas dezenas de reuniões do Foro de São Paulo. Pois nada disso foi mencionado.

NOTÍCIAS PLANTADAS

É pra lá de compreensível que alguém que se sente injustiçado, e ainda por cima convencido de que as acusações (plantadas) que lhe foram impostas contribuíram, decisivamente, para o falecimento de seu pai, tem muito a desabafar e exigir reparações. Entretanto, como os -CRIMES DE ESTADO- que Tuma Jr revela são muito sérios, notórios e preocupantes, aí o mínimo que se exige é que as denúncias de Tuma Jr sejam apuradas.

CALADOS

Enquanto aguardo o posicionamento da mídia aberta, do Ministério Público, da Justiça e, principalmente do Senado (vejam que os senadores do RS - Pedro Simon, Ana Amélia Lemos e Paulo Paim permanecem calados, inexplicavelmente, assim como a mídia do RS), vou acumulando desesperança de que o nosso pobre Brasil seja salvo.

DESESPERANÇA

Esta minha desesperança sobe mais alguns degraus quando percebo que ao longo dos últimos 12 anos de Ponto Critico, sem ser policial fui exaustivo em editoriais com conteúdos sobre o Foro de São Paulo e seus métodos identificados com a obra de Antonio Gramsci - Cadernos do Cárcere. Como Tuma Jr se declara (exaustivamente) um bom policial, o que o levou a não investigar o ambiente no qual conviveu? Estranho, não? Segundo informou Tuma Jr, no Roda Viva (TV Cultura) um segundo tomo do livro está sendo gestado. Tomara que o segundo consiga mexer com os ânimos das autoridades, porque o primeiro, até agora, foi um solene fracasso neste sentido.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • SUPER CRIMINOSO
    O bandido petista Henrique Pizzolato, antes de ser condenado resolveu dar mais maus exemplos: fugiu do país com passaporte falso. Mais: passou por seu irmão morto para se refugiar na Itália. Certamente, caso seja deportado para o Brasil, vai ser recebido com muita festa.
  • DEPORTAÇÃO
    Convenhamos que o melhor para nós é que Pizzolato fique na Itália. Para quem já tem o Battisti ainda precisa de mais bandidos?
  • PREJUÍZO SEM FIM
    Nos dez dias (até ontem) de paralisação dos rodoviários, os lojistas da capital gaúcha contabilizam R$ 100 milhões de prejuízo nas vendas. A CDL Porto Alegre apurou que, mesmo com o atrativo do Liquida Porto Alegre, o varejo sofre perdas irreparáveis com a greve e, em decorrência das baixas vendas, os comerciários devem ganhar apenas o piso salarial em fevereiro, sem as comissões.
  • LIQUIDA
    Vale destacar, no entanto, que os consumidores que estão aproveitando o Liquida Porto Alegre estão encontrando boas ofertas e a atenção especial dos lojistas. É possível encontrar as bandeirolas e cartazes indicando que ali é possível fazer boas compras e economizar.

FRASE DO DIA

O que certamente nunca houve no Brasil foi um choque liberal. O liberalismo econômico assim como o capitalismo não fracassaram na América Latina. Apenas não deram o ar de sua graça.

Roberto Campos