Artigos Anteriores

AINDA HÁ JUÍZES EM BERLIM. E NO TRF-4...

ANO XIV - Nº 007/14 -

CONDENAÇÃO

Não há a menor dúvida de que os inúmeros e sérios problemas criados pelos governos petistas, que resultaram em profunda e comprovada destruição, tanto financeira quanto econômica do nosso empobrecido país, simplesmente deixaram de existir com a CONDENAÇÃO do maior facínora do país, quiçá do mundo, pela magnífica 8ª Turma do TRF-4.

DESEMBARGADORES DESTEMIDOS

Entretanto, mesmo bastante convencidos de que há muito trabalho pela frente, não há como não festejar, e muito, a correta atuação dos destemidos desembargadores - João Pedro Gebran Neto,  Leandro Paulsen e Victor dos Santos Laus-, que,  de forma unânime não só confirmaram a CONDENAÇÃO do larápio como aumentaram a pena para 12 anos e um mês.

ANSIEDADE

Depois de acompanhar, desde às 8h34min da manhã, a sessão de julgamento do recurso no TRF-4, a minha ansiedade aumentou mesmo, de forma significativa, quando o último desembargador -Victor Laus- iniciou  o seu voto. Até então, confesso, o escore de 2x0 no placar não me satisfazia. Eu queria mais. Pois, a minha felicidade, assim como a de todos os brasileiros decentes, quando o desembargador Laus, às 17h34min, bateu o martelo confirmando o escore de 3x0 na CONDENAÇÃO do maior bandido do planeta.

DOSIMETRIA

Quanto a DOSIMETRIA aplicada, de forma também unânime pelos desembargadores, aí ficou confirmada a tese de que a felicidade nunca é completa. Pelo crime que o mega-larápio cometeu, o aumento de pena, de 9 anos e seis meses para doze anos e um mês, soou nos meus ouvidos como um prêmio. Lula, sem tirar nem por,  já deveria ter sido condenado a, no mínimo, 300 anos de prisão. Mais: no pior presídio do Brasil.

FUROS NA LEI

Pois, mesmo depois de fragorosamente condenado, Lula e o PT também estão mostrando enorme disposição para deixar de cumprir o que diz a Lei (que ele mesmo sancionou) da FICHA LIMPA. Seus advogados, espertamente, estão querendo encontrar, com a ajuda da mídia inconformada e derrotada, furos na legislação que possibilitem o registro da candidatura do larápio às eleições de 2018. Pode?

PROVAS DOCUMENTAIS E TESTEMUNHAIS

Com tudo isto, mesmo sabendo que é importante e necessário ficar, constantemente, de olho nas manobras desses maquiavélicos, a hora é de festejar. A sensação geral que o último voto pela condenação do safado proporcionou foi incrível. Senti que ali estava o sinal que o Brasil todo precisava para começar a sua caminhada em direção ao desenvolvimento. Os votos dos desembargadores do TRF-4 foram simplesmente magníficos. As provas, como referiu o desembargador Leandro Paulsen, são da mesma forma documentais e testemunhais! Viva!

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • UMA NOVA GERAÇÃO PEDE PASSAGEM

    Eis um bom artigo, escrito por Joaquim Falcão, professor da FGV Rio, publicado na Veja com o título -UMA NOVA GERAÇÃO DE MAGISTRADOS PEDE PASSAGEM-: 

    A transmissão ao vivo do julgamento do TRF4 permitiu ao público compará-lo com os julgamentos que se tem visto no Supremo Tribunal Federal. A postura dos magistrados, raciocínio, método de análise, forma de se comunicar, tudo é diferente.

    Não há competição pessoal ou ideológica entre eles. Nem elogios recíprocos. Cada um é si próprio. Não há troca de críticas veladas, ou aplausos desnecessários. Ou insinuações jogadas no ar. Mais ainda: não há exibicionismo.

    Não querem mostrar cultura. Não discutem com jargões jurídicos. Não se valem de doutrinas exóticas plantadas e nascidas no além mar. Não é preciso, embora seja legitimo e, às vezes, indispensável buscar amparo em autores ou abstrações estrangeiras. Em geral ultrapassados.

    A argumentação é toda fundamentada nos fatos. Vistos e provados. Não se baseia apenas em testemunhos ou denúncias. Fundamentam seu raciocínio no senso comum que emanam dos fatos. Provas materiais. Ou como diria Ulysses Guimaraes: com base em suas excelências, os fatos. Que de tão evidentes e intensamente descritos não deixam margem a qualquer dúvida razoável.

    Não é preciso muita argumentação para dizer o que é simples. Ninguém manda mudar um apartamento, manda comprar utensílios, faz visitas com o construtor, não pergunta preço, e não paga – só o dono de um imóvel procede assim.


    A prova da propriedade está no comportamento registrado ao vivo. E não no papel, na escritura A ou B. Simples assim. Os magistrados de maneira informal tentaram transmitir o que a linguagem jurídica, formal, muitas vezes oculta.

    A transmissão ao vivo permitiu a cada um de nós formar a própria opinião. Escolher um lado. Quase pegar a justiça com as próprias mãos, com as mãos do seu próprio entendimento. Restou provado que o Tribunal Federal da 4ª Região pretendeu ir muito além de simplesmente julgar o ex-presidente.

    Apresentou ao Brasil uma nova maneira de pensar, expressar e construir a justiça. Provavelmente a maneira de magistrados se comportarem na televisão, na internet e até nos julgamentos sem transmissão nunca mais será a mesma.

  • CONFIANÇA DO COMÉRCIO

    O Índice de Confiança do Comércio (Icom) da Fundação Getúlio Vargas avançou 0,2 ponto em janeiro, para 95,1 pontos, maior nível desde julho de 2014 (95,4). Em médias móveis trimestrais, o índice subiu pelo quinto mês consecutivo (0,9 ponto), informou a FGV hoje. (Valor)

FRASE DO DIA

Eleição não põe o eleito acima do bem e do mal.

Desembargador Leandro Paulsen