Artigos Anteriores

AGOSTO É O MÊS DO DESGOSTO? PARA OS PRIVILEGIADOS NÃO!

ANO XIV - Nº 007/14 -

CRENÇA

No nosso empobrecido Brasil, a velha crença de que AGOSTO É O MÊS DO DESGOSTO continua valendo, como nunca, apenas para aqueles que não fazem parte da seleta -PRIMEIRA CLASSE DE BRASILEIROS-, ambiente reservado  aos privilegiados funcionários públicos.

CORPORATIVISTA

Para confirmar a regra,  o presidente Temer, que antes de ocupar o posto de chefe do Executivo já vinha gozando das saborosas delícias e vantagens concedidas aos eternos e diferenciados -APOSENTADOS DO SETOR PÚBLICO-, resolveu agir como representante legítimo e indecente do CORPORATIVISMO.

CANETA CORPORATIVISTA

Pois, ontem, o presidente Temer, dois dias antes do mês de agosto findar, usou a sua CANETA CORPORATIVISTA para fazer, mais uma vez, a alegria dos seletos e privilegiados funcionários do setor público: além de manter o reajuste para os servidores do Executivo em 2019, o corporativista ainda concedeu o -reajuste- de salários, na ordem de 16,38%, aos ministros do Supremo Tribunal Federal e ao Judiciário. Que tal?

IMBECILIDADE CULTURAL

Como os brasileiros de SEGUNDA CLASSE têm como característica cultural a mais notória imbecilidade, todos já aguardam,  pacificamente, a apresentação da bela conta. Na tentativa de disfarçar a nojeira, Temer justificou  que o reajuste de 16,38% para o Judiciário foi feito em troca do FIM DO AUXÍLIO-MORADIA (R$ 4, 7 mil, em média) que passaria  a ser incorporado ao salário dos ministros.

TODOS OS MESES DO ANO

Como se vê, com absoluta clareza, a velha CRENÇA de que AGOSTO É O MÊS DO DESGOSTO continua valendo, com força total, para o enorme contingente formado pelos imbecis brasileiros que compõem a estúpida e injusta SEGUNDA CLASSE.  Para os privilegiados integrantes da PRIMEIRA CLASSE, não só o mês de agosto, mas todos os meses do ano, são períodos de muita alegria e confraternização.

UTÓPICA PEC DE TETO DOS GASTOS PÚBICOS

O mais curioso, para não dizer outra coisa, é que o próprio presidente Temer empunhou a bandeira do corte de gastos, aprovando a UTÓPICA -PEC de TETO DOS GASTOS PÚBLICOS. Pode? Aliás, se houvesse este importante interesse, bem antes de apresentar esta UTÓPICA PEC, Temer deveria se esforçar para aprovar a REFORMA DA PREVIDÊNCIA, cujos gastos absurdamente crescentes são os responsáveis maiores e diretos pelo fantástico ROMBO FISCAL do Brasil.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • IGP-M AGOSTO

    O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,70% em agosto, acelerando-se em relação à alta de 0,51% em julho, informou hoje pela manhã a Fundação Getúlio Vargas.

  • SABATINAS NO JN

    Na minha ótica, ambos os presidenciáveis Jair Bolsonaro e Geraldo Alckmin se saíram muito bem da sabatina que participaram no Jornal Nacional.  Ainda que os âncoras da TV Globo preferiram se estender em perguntas e/ou afirmações totalmente fora dos Planos de Governo dos candidatos, a postura destes presidenciáveis -REFORMISTAS- foi muito alvissareira.

  • BOLSONARO NO BRASIL DE IDEIAS

    Ontem, 29, em evento -Brasil de Ideias- promovido pela Revista VOTO, no Hotel Sheraton de Porto Alegre, o candidato REFORMISTA à Presidência da República, Jair Bolsonaro, detalhou seus planos para economia, segurança, agronegócio e comércio exterior caso seja eleito.
    Questionado sobre as privatizações, o presidenciável foi enfático: -  “Vamos extinguir de imediato as 50 estatais que o PT criou ao longo de 13 anos. A mais importante, que vem até de antes desse período, é a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que gasta R$ 1 bilhão por ano para acomodar jornalistas de esquerda aposentados”. “Pode ter certeza: dá para se desfazer de dois terços das estatais e aliviar o peso do Estado em quatro anos”.

  • ALCKMIN NO BRASIL DE IDEIAS

    Na 3ª feira, 28, quem esteve presente no Brasil de Ideias, em Porto Alegre, foi Geraldo Alckmin. O presidenciável, também REFORMISTA defendeu quatro reformas prioritárias para o País – política, tributária, previdenciária e do Estado –, atenção à educação básica e simplificação tributária.

    Mais: o desenvolvimento, segundo o candidato, também passa pela agenda da competitividade, com estímulo aos investimentos a partir da simplificação tributária e da redução da burocracia. “O próximo ano será o sexto de déficit primário. Nossa meta é, em dois anos, zerá-lo. E isso sem aumentar impostos, apenas diminuindo despesas e fazendo as reformas necessárias”, disse Alckmin.

FRASE DO DIA

Imbecil não tem tédio.

STANISLAW PONTE PRETA