Artigos Anteriores

A ORDEM É LUTAR CONTRA O MAL MAIOR

ANO XIV - Nº 007/14 -

BOLSONARO

Antes de tudo um esclarecimento: eu votaria mil vezes no Bolsonaro caso o outro candidato fosse socialista. Até porque nada de pior pode acontecer ao nosso empobrecido Brasil do que o retorno ao poder daqueles que plantaram e colheram safras intermináveis de magníficos ROMBOS nas contas públicas. Isto sem falar na grossa CORRUPÇÃO, que somada com uma brutal  INCOMPETÊNCIA virou marca registrada dos socialistas.

MEDIDAS LIBERAIS

Mesmo sabendo que só Paulo Guedes e sua equipe estão compromissados com medidas LIBERAIS, únicas realmente capazes de SOLUCIONAR os graves problemas que levaram o Brasil à míngua, com as quais comungo plenamente e prometo jamais me afastar um milímetro deste convencimento, ainda assim me proponho a lutar contra as FORÇAS COMUNISTAS, que tomaram conta das  nossas instituições, com apoio irrestrito de boa parte da mídia.

MAL MAIOR

Entretanto, esta luta contra o MAL MAIOR, que sabidamente será intensa e levará  muito tempo para produzir bons e efetivos resultados, não admite o cometimento de erros bobos e/ou infantis, do tipo como vimos já no terceiro e quarto dia de governo, 03 e 04/01, logo depois que Bolsonaro fez a sua primeira reunião ministerial.

PIORA O QUE ESTÁ PÉSSIMO

Começando pela péssima entrevista que o presidente concedeu ao canal de televisão SBT, quando, simplesmente, meteu os pés pelas mãos ao falar da REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Nesta questão, que é, inquestionavelmente, o GRANDE PROBLEMA DO BRASIL, Bolsonaro defendeu uma proposta ridícula, que simplesmente PIORA o que já está PÉSSIMO. Um horror!

A ORDEM ERA CRIAR CONFUSÃO

Tudo leva a crer que alguns de seus ministros, tão logo tomaram conhecimento das bobagens ditas pelo seu líder, no SBT,  entenderam que a ordem presidencial era a de criar MUITA CONFUSÃO e POUCO OU NADA DE ESCLARECIMENTO À OPINIÃO PÚBLICA, que mais do que nunca não pode cair em frustração.

MENTIDOS E DESMENTIDOS

Pois, na última sexta-feira passada, na medida em que ouvia e assistia, atônito, a SÉRIE DE MENTIDOS E DESMENTIDOS, confesso que fui beliscado e/ou fustigado por uma ponta de frustração.  Por mais que entenda que o início de governo pode produzir situações incômodas, quando as bobagens extrapolam não posso ficar calado. Como se viu, a SÉRIE DE DESMENTIDOS acabou servindo de alimento para boa parte da mídia, principalmente aquela que não nutre a mínima simpatia por Bolsonaro. Esta turma está deitando e rolando...Pode? 

Aliás, a insatisfação de Paulo Guedes soou de forma clara através de seu silêncio sepulcral. Do tipo de quem não vai tolerar estas bobagens por muito tempo...

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FOCUS DE HOJE

    Eis o que revela a pesquisa Focus de hoje:

    1- as projeções medianas para o IPCA permaneceram idênticas ao observado na semana passada, registrando 3,69% para 2018, 4,01% para 2019, 4,00% para 2020 e 3,75% para 2021; 

    2- a estimativa para a taxa de câmbio continuou em R$ 3,80/US$ para o final de 2019 e 2020; 

    3- a projeção para a taxa de crescimento do PIB em 2019 CAIU de 2,55% para 2,53;. 

    4- A projeção para a taxa Selic, por sua vez, recuou de 7,13% para 7,00% ao final de 2019, enquanto a estimativa para o fim de 2020 continuou em 8,00%.

  • ICMS SOBRE COMBUSTÍVEIS

    Eis aí um importante esclarecimento sobre a tributação do ICMS dos combustíveis, segundo a SEFAZ -SC:

    As alíquotas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) cobradas dos combustíveis variam de Estado para Estado. Em Santa Catarina, o percentual sobre a gasolina é 25% e sobre o óleo diesel é 12%, os menores do Brasil. “Santa Catarina tem a gasolina mais barata do Brasil porque é o único Estado em que o ICMS custa menos de R$ 1 por litro”, segundo a Secretaria da Fazenda do SC. 

    As alíquotas nos outros Estados para gasolina variam de 25% a 34%. Segundo dados da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), em maio 2018, por exemplo, os catarinenses pagavam R$ 0,980 de ICMS por litro de gasolina. O Rio de Janeiro pagava o tributo mais elevado – R$ 1,607 por litro da gasolina.

    Naquela ocasião, a base de cálculo para arrecadação da gasolina em Santa Catarina era de  R$ 3,92. “Ou seja, os postos de gasolina do Estado pagavam ICMS até este valor. O que era vendido acima não entrou na arrecadação do Estado. Portanto, a crise que está acontecendo agora não é em função do ICMS”.

    Já sobre o óleo diesel, as alíquotas variam de 12% a 25% em outros Estados. A base de cálculo da segunda quinzena de maio do diesel foi de R$ 3,24. Em Santa Catarina, na data, o ICMS cobrado era R$ 0,374 a cada litro enquanto no Amapá, que tem o maior tributo estadual, a taxa era de R$ 0,999 por litro.

  • ROMA INESQUECÍVEL

    A campanha Roma Inesquecível, promovida pelos cartões Zaffari Card e Bourbon Card, já conta com aproximadamente 84 mil participantes e cerca de 270 mil números da sorte desde que foi lançada, no dia 1º de dezembro. Os clientes dos cartões têm até o dia 13 de janeiro para participar da promoção, que irá sortear 6 viagens com acompanhante para a capital italiana. Para participar, a cada R$ 400,00 em compras feitas com o Zaffari Card e o Bourbon Card o cliente receberá automaticamente um número da sorte para concorrer, não sendo necessária a troca de cupons fiscais.

    É possível consultar os números da sorte diretamente pelo aplicativo dos Cartões Zaffari, nas lojas Zaffari e Bourbon, ou pelo SAC (4004 1224). Ao longo da promoção os clientes têm recebido notificações pelo aplicativo, estimulado o acompanhamento de seus números da sorte e o saldo em compras para geração de novos números da sorte.

    As compras são cumulativas e, para a geração dos números da sorte, são somadas as compras do cliente titular e também as dos clientes adicionais vinculados à mesma conta. O sorteio ocorrerá pela Loteria Federal no dia 16 de janeiro. O regulamento completo pode ser acessado no site www.zaffaricard.com.br.

FRASE DO DIA

No Brasil cultuamos duas frustrações: a dos que têm poder, mas não têm competência para exercer; e a dos que têm competência, mas não têm poder.

Paulo de Tarso de Moraes Souza