Artigos Anteriores

A MÍDIA SUICIDA

ANO XIV - Nº 007/14 -

DIA INTERNACIONAL DA LIBERDADE DE IMPRENSA

Criado pela Unesco -Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura-, em 1993, no dia 03 de maio, que neste ano caiu no domingo passado, o mundo todo (onde isso é possível) comemorou o Dia Internacional da Liberdade de Imprensa.

IMPRENSA CALADA

Pois, ainda que a data tenha sido sugerida pela Unesco com o propósito de celebrar o direito de todos os profissionais da mídia de investigar e publicar -informações- de forma livre, no nosso pobre país, com raríssimas exceções, QUEM CALA, NÃO INVESTIGA E NÃO SE INTERESSA EM INFORMAR os leitores, ouvintes e telespectadores É A PRÓPRIA IMPRENSA. 

 

 

 

LUTA FALSA

Pode parecer incrível, mas esse mau comportamento de grande parte das empresas de comunicação do nosso país dá uma dimensão do quanto é falsa a luta que dizem travar contra a censura e à constante ameaça deste governo, e demais partidos de esquerda, de acabar com a Liberdade de Expressão. 

ORIGEM

Ora, todo mundo sabe que investigar significa ir à origem do problema. Portanto, nada mais difícil de entender como a -Imprensa Brasileira- não saiba que a instituição inspiradora, que está por trás desta vontade firme de controlar a mídia, é o Foro de São Paulo.

Lembrando: o tal Foro de São Paulo, que a mídia se recusa a informar e/ou investigar, é uma organização comunista cujo programa é seguido à risca pelas lideranças do vários países da América Latina e Caribe, como Cuba, Venezuela, Bolívia, Brasil, Argentina, Equador, Nicarágua, etc...

CADERNOS DO CÁRCERE

De novo: - Chama muito a atenção como as empresas de comunicação do país, em geral, se negam em noticiar a existência do Foro de São Paulo e seus propósitos entre os quais um dos mais importantes é o Controle dos Meios de Comunicação. Aliás, bastaria copiar e colar os conteúdos dos programas desenvolvidos e operacionalizados pela organização comunista, inspirada na obra de Antonio Gramsci - Cadernos do Cárcere-.

 

ESCLARECER O GRANDE PÚBLICO

Portanto, o silêncio sepulcral da mídia, que, inexplicavelmente se recusa a denunciar não só a origem, mas esclarecer ao grande público tudo que está por trás da manobra petista, nada mais é do que um estímulo para que esse governo decida aquilo que deve ou não ser noticiado, comentado ou criticado.
 

CUMPLICIDADE

Esta incrível cumplicidade, provada e comprovada através desse silêncio manifestado em praticamente todas as redações dos jornais abertos de todo o país, precisa ser esclarecida. Afinal, como podem as empresas de comunicação ficarem gritando em defesa da Liberdade de Expressão, se nada fazem para informar a sociedade sobre o que, realmente, coloca em perigo a nossa frágil democracia .  

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • IPC - FIPE

    O IPC-Fipe, que mede a inflação na cidade de São Paulo, registrou avanço de 1,1% em abril, ante 0,7% no mês anterior. O indicador acumula altas de 4,72% no ano e de 7,21% em 12 meses.

  • EUA

    A balança comercial dos EUA registrou déficit acima do esperado em março, com saldo negativo em U$ 51,4 bilhões no mês (consenso do mercado: - US$ 41,7 bilhões). Esta surpresa provavelmente acarretará em revisão baixista do PIB do primeiro trimestre, cuja primeira leitura já havia surpreendido para baixo, com variação anualizada de apenas 0,2% no período.

  • DIA DAS MÃES

    Uma pesquisa para o Dia das Mães realizada pela CDL Porto Alegre e Sindilojas Porto Alegre apontou que os gaúchos podem ser divididos em cinco categorias na hora de escolher o presente: o prático (50%), o planejado (21%), o afetivo (13%), o projetivo (13%) e o vaquinha (3%). O levantamento projeta que R$ 80 milhões deverão circular no varejo, resultado semelhante ao registrado em 2014.

  • LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

    Ontem, a Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF – completou 15 anos. Ao impor limites de gastos e endividamento, obrigou os governantes a lançar mão de uma atividade básica da gestão pública: planejar o que deverá ser executado, controlar custos envolvidos e cumprir o programado dentro do previsto. O PT votou contra a nova legislação.

     

    Pois, uma década e meia após a promulgação da LRF, o desafio é manter a eficácia e regulamentar artigos até hoje esquecidos. Mesmo a LRF tendo se tornado um marco legal para as contas públicas, um parecer do Tribunal de Contas da União mostrou que a equipe do ex-ministro Mantega adiou repasses para melhorar artificialmente o resultado das contas do governo no ano passado, descumprindo a lei.

    Convém não esquecer que no final de 2014 o Congresso aprovou, a pedido do governo Dilma, MP que alterava a meta fiscal do ano, pela impossibilidade do governo federal cumprir o superávit fiscal previsto. Na prática, o Congresso “flexibilizou” a LRF, abalando seus alicerces. Mas não é só o vigor da lei que sofre ameaça. Passados quinze anos o Congresso ainda não regulamentou dois dos mais importantes artigos da LRF: os de número 67 e 68.

    O artigo 67 cria o Conselho de Gestão Fiscal, que acompanha e avalia, de forma permanente, a política e a operacionalidade da gestão fiscal do governo. O artigo 68 cria o Fundo do Regime Geral de Previdência Social com a finalidade de prover recursos para o pagamento dos benefícios do regime geral da previdência social. Nesse momento de falta de confiança na economia brasileira, a criação do Conselho de Gestão Fiscal e do Fundo do Regime Geral seriam os melhores instrumentos para trazer a tão necessária credibilidade de volta ao País. Já passou da hora do Congresso assumir sua responsabilidade para regulamentar um dos principais instrumentos de controle e moralização da gestão pública. (Movimento Brasil Eficiente)
     

FRASE DO DIA

A autenticidade é a maior diferença entre os que são e os que querem ser.