Artigos Anteriores

A MÍDIA, EM GERAL, PREFERE O CAOS

ANO XIV - Nº 007/14 -

INFLUÊNCIA

Chega a impressionar, mesmo sem surpreender, o quanto a mídia brasileira ainda é capaz de INFLUENCIAR, e muito, a nossa frágil opinião pública, que aceita com grande facilidade aquilo que, de forma exagerada, ou seja, com viés SENSACIONALISTA, é dito e publicado.

ATAQUE ÀS CONSEQUÊNCIAS

O que mais chama a atenção é que a maioria das notícias tem único propósito: atacar EXCLUSIVAMENTE as CONSEQUÊNCIAS dos problemas, críticas ou especulações apontados. Isto, infelizmente, tem levado boa parte dos INFLUENCIADOS a não perceber que a solução, ou prevenção, de algum problema, só é possível desde que as CAUSAS sejam combatidas. 

DESEMPREGO

Ora, não é preciso ser iniciado em economia para entender, por exemplo, que a elevada TAXA DE DESEMPREGO do nosso empobrecido Brasil é PURA CONSEQUÊNCIA da má administração pública. A grande CAUSA da enorme falta de oportunidade de trabalho é o tamanho descomunal do Estado brasileiro, que impõe uma excessiva CARGA TRIBUTÁRIA para pagar, principalmente, tanto QUEM JÁ DEIXOU DE TRABALHAR quanto QUEM NÃO MAIS ESTUDA. 

SACOS DE MALDADES

O curioso, para não dizer indecente, é que aqueles que dizem que a Previdência Social não é deficitária geralmente ganham maior espaço na mídia. Já quem defende uma séria e profunda REFORMA DA PREVIDÊNCIA, na maioria das vezes é levado ao cadafalso midiático como se fosse um portador e distribuidor de SACOS DE MALDADES. Pode?

LIBERALISMO ECONÔMICO

Como a vitória de Jair Bolsonaro dá a entender que o Brasil vai, pela primeira vez na sua história que já completou 1518 anos, experimentar o LIBERALISMO ECONÔMICO, modelo que, além de tirar o pesado Estado das costas fragilizadas dos cidadãos,  proporciona o saudável aumento da concorrência, nem assim boa parte da mídia, que comunga dos princípios ideológicos socialistas, se propõe a colaborar como influenciador. 

SEGURANÇA, SAÚDE E EDUCAÇÃO

Esta mesma má vontade é vista, claramente, nas notícias ligadas à SEGURANÇA, SAÚDE E EDUCAÇÃO, cujos problemas -enormes- não passam de CONSEQUÊNCIAS. Vejam que;

1- na SEGURANÇA, a grande CAUSA está nas ridículas LEIS PENAIS que estimulam o crime;

2- na SAÚDE, a maior CAUSA está na falta de tratamento de esgoto; e, 

3- na EDUCAÇÃO, a maior, indiscutivelmente, está na forte IDEOLOGIZAÇÃO dos alunos.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • ESPAÇO PENSAR+

    Eis, a propósito,  o breve texto produzido pelo pensador Roberto Rachewsky, a respeito:

    Não estou surpreso de termos tantos economistas liberais no governo.

    Os economistas da esquerda que não estão mortos, estão presos ou a ponto de irem parar no manicômio ou na cadeia.

    Os que não têm nenhum desses problemas, simplesmente estão desacreditados depois de décadas de desgoverno.

    Uns poucos, mais esclarecidos, se bandearam para o lado que tolera o mercado, uns por conversão ideológica, outros para não ficarem desempregados, sem ofício.

    Devemos agradecer esse fenômeno, que o Gustavo Franco está chamando de a “Primavera Liberal”, aos economistas de Lula e Dilma Rousseff.

    Todo mundo sabe que Carl Menger, Bohm Bawerk e Mises não teriam tido relevância se não tivesse havido o Comunismo.

    Ninguém duvida que os Chicago Boys, discípulos chilenos de Milton Friedman, não seriam incensados sem os patifes da Cepal, Raul Prebish, Celso Furtado, José Serra, FHC e Pedro Vuskovic que foi ministro da economia de Salvador Allende.

    Hayek, teórico entre outras coisas da moeda desestatizada, seria um desconhecido se o mundo não tivesse acreditado nas ideias de John Maynard Keynes.

    Lembrem-se, antes de todo o esplendor proporcionado pela primavera, temos que suportar os rigores do inverno.

     

  • FOCUS

    Na pesquisa Focus de hoje:

    1- a projeção mediana para o IPCA ao final de 2018 recuou de 4,13% na semana anterior para 3,94%, enquanto a projeção para o final de 2019 caiu de 4,20% para 4,12%.

    2- a projeção para a taxa de crescimento do PIB em 2018 aumentou de 1,36% para 1,39% ao final de 2018, enquanto a estimativa para 2019 permaneceu em 2,50%.

    3- a projeção para a taxa Selic, por sua vez, continuou em 6,50% ao final de 2018, enquanto a estimativa para o fim de 2019 recuou de 8,00% para 7,75%. 

FRASE DO DIA

É excelente ser bem falado na saída. Melhor do que ser bem recebido na entrada.

Roberto Campos