Artigos Anteriores

A IMPORTÂNCIA DAS NOVELAS

ANO XIV - Nº 007/14 -

NOVELAS

As novelas que são exibidas em quase todos os canais de televisão aberta, como se sabe, são obras de ficção. E nada mais representam do que divertimento e lazer para quem as vê. Por isto não há razão para ficar perdendo tempo comparando os dramas vividos pelos personagens com a nossa realidade, com o nosso dia a dia.

AUDIÊNCIA ALTA

O que é muito relevante mesmo é que as novelas ganharam grande importância para a maioria da sociedade brasileira. E a TV Globo, sabendo muito bem do que elas representam para manter altos índices de audiência, foi categórica: condicionou a apresentação dos jogos de futebol para depois da exibição do capítulo da novela das oito (que na realidade acontece a partir das nove da noite).

BABACAS E SAFADOS

Mas, para quem está assistindo a novela ? Paraíso Tropical ? que está sendo exibida pela TV Globo, e cujo final está sendo muito aguardado nesta semana, não pode deixar de perceber as claras intenções do novelista Gilberto Braga, em relação ao povo carioca: fazer deles grandes babacas e safados. Os cariocas, com toda a clareza, foram reduzidos a isto.

COPAMAR

Braga simplesmente resolveu, sabe-se lá por qual razão, transformar os moradores do Rio em pessoas imbecis, idiotas e espertalhões. Desde o grande e péssimo empresário, representado por Toni Ramos e a sua ridícula diretoria, até a fantástica importância que é dada ao porteiro de um edifício residencial denominado Copamar.

VIDA COMUM

Não cheguei a acompanhar grande parte da novela, mas neste final que estou compelido a assistir por influência familiar, já percebo muita gente compenetrada e reunida em papéis artísticos querendo representar gente boba e incompetente. De novo: todos os artistas que participam da novela, vivem personagens da vida comum do Rio de Janeiro, de cariocas.

SENTIMENTO RUIM

Mesmo que novelas sejam obras de ficção, como já me referi, não entendo como os cariocas não reagem. Não é possível que esta gente tão alegre e descontraída admita manter este sentimento de idiotice. Principalmente sabendo que ele será repassado para telespectadores de outros países que vierem a comprar a novela. Aí é duro.

SILÊNCIO

Estou convencido de que não devo mais escrever sobre o maluco Hugo Chávez. Não funciona. O número de apaixonados pelo idiota, e pelas suas atitudes ditatoriais, cresce de forma impressionante quanto mais o maluco é criticado pelas suas atitudes. Espero que o meu silêncio venha a se transformar num melhor esclarecimento do mal que Chávez está fazendo a Venezuela e a toda a América Latina.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FAZENDO AS CONTAS
    O atento leitor Jair Cini escreve dizendo uma grande verdade: que os políticos favoráveis a prorrogação da CPMF deveriam raciocinar. Basta, por exemplo, fazer uma pequena conta: se o PIB de 2006 foi de aproximadamente R$ 2,3 trilhões e a arrecadação da CPMF R$ 32 bilhões, a alíquota real é de 1,38%. Portanto, constata-se que a alíquota de 0,38% da CPMF incide várias vezes sobre o mesmo valor.
  • PREMIAÇÃO
    A Revista AMANHÃ e a PricewaterhouseCoopers promovem, no dia 02 de outubro, a partir das 18h30, no hotel Sheraton Porto Alegre, cerimônia de premiação da edição especial Grandes&Líderes, que traz o ranking das 500 maiores empresas do Sul e as 100 maiores do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná.
  • CASA COR GRAMADO
    O coquetel de pré-inauguração da Casa Cor Gramado 2007, será realizado dia 27, quinta-feira, das 19 às 23h, na Av. Borges de Medeiros, 1791, Bairro Planalto, Gramado, RS.
  • CUMPRINDO A PROMESSA
    O presidente da ANDEP ? Associação Nacional em Defesa dos Direitos dos Passageiros do Transporte Aéreo ? Cláudio Candiota, conforme promessa feita anteriormente, fará a devolução da Medalha de Santos Dumont ao Comando da Aeronáutica.Candiota postará a condecoração, na agência dos Correios do Aeroporto Salgado Filho (Porto Alegre/RS), na próxima quinta-feira (27.09), às 15 horas.

FRASE DO DIA

SOMOS TODOS UNS FARSANTES: NÓS SOBREVIVEMOS AOS PROBLEMAS.

E.N. Cioran