Artigos Anteriores

A GRANDE TRAGÉDIA NACIONAL

ANO XIV - Nº 007/14 -

REDES SOCIAIS

A cada dia que passa as redes sociais ganham mais e mais importância no mundo todo. Se a sociedade moderna simplesmente não consegue viver sem elas, a sociedade menos acostumada aos modernismos também já percebeu que viver fora delas significa ficar por fora de tudo que acontece ao seu redor. 



 

CONHECIMENTO

Contudo, na medida em que cresce o número de usuários que se propõem a escrever e/ou postar o que bem entendem nas várias redes sociais disponíveis, mais se torna perceptível o grau de conhecimento adquirido. A regra, incontestável, diz: quanto maior a relação esclarecimento/aprendizado, menor o grau de estupidez dos participantes.

 

DESPROVIDOS DE CÉREBRO

Pois, no nosso empobrecido país, o que mais vem chamando a atenção é a postura infantil e absurda que muitos usuários das redes sociais estão adotando, por exemplo, quando resolvem apontar os maiores responsáveis pelos graves problemas financeiros que o Brasil atravessa. Além de lamentável é uma prova cabal da enorme quantidade de brasileiros desprovidos de cérebro.

DECISÕES EQUIVOCADAS

Quando dizem, por exemplo, que o destino do sempre pretendido aumento da carga tributária é garantir dinheiro para a corrupção e/ou aumento de salário dos funcionários públicos privilegiados, ainda que tenham razão, fica muito claro que não sabem onde reside o real problema, que proporciona o MAIOR ROMBO DAS CONTAS PÚBLICAS. Ou seja, ao invés de, em primeiro lugar, mostrar grande revolta contra as despesas maiores, vê-se que a maioria prefere ficar se lamentando por valores que, comparativamente, tem menor expressão.

Fico imaginando, por tudo que leio nas redes, o quanto este enorme contingente de equivocados deve tomar decisões erradas, tanto na vida pessoal, familiar, quanto profissional.

MAIORES E MENORES

De novo: gasto público, independente de tamanho, precisa ser constantemente analisado antes de ser apoiado ou reprovado. O que não se justifica é que antes de se preocupar com as GRANDE E MAIORES DESPESAS, que estão sufocando e destruindo as Contas Públicas, o povo grite primeiramente contra as MENORES DESPESAS, ainda que nojentas.

 

PARA UMA MELHOR COMPREENSÃO

A título de melhor compreensão do assunto imaginemos, por exemplo, que ao chegar em casa nos deparamos com vários vazamentos de água, sendo que um deles, o maior e que mais preocupa, deriva de um rompimento de um cano de boca muito larga que em poucas horas provocará uma inundação do imóvel. Os demais, ainda que precisem ser consertados, podem esperar até que o cano maior seja substituído.

 

 

TRAGÉDIA NACIONAL

Ora, quem tem um mínimo de bom senso precisa saber que o primeiro -vazamento- a ser atacado nas CONTAS PÚBLICAS é o ROMBO PROPORCIONADO PELAS DUAS PREVIDÊNCIAS. Como aí reside o grande e maior problema das contas públicas do Brasil, independente do cuidado que precisamos ter com outras DESEPSAS, todos os esforços devem ser dirigidos, neste momento, para a VERDADEIRA TRAGÉDIA NACIONAL.
 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • SITUAÇÃO DELICADA

    A situação das contas públicas é mais do que delicada. A dívida pública continua em alta forte, o déficit primário se mantém elevado e há uma chance nada desprezível de o teto de gastos ser rompido em poucos anos. Observem que a dívida bruta subiu de 51,5% do PIB em dezembro de 2013 para 73,1% do PIB em junho deste ano, podendo superar 80% do PIB no fim do ano que vem.

  • A PROCURA DE UM SALVADOR DA PÁTRIA

    Eis aí um bom texto escrito pelo pensador Roberto Rachewsky:

    O Rio Grande do Sul nunca foi um celeiro de liberais.

    Pode ter um ou outro que tenha se destacado, mas certamente se o foi, terá sido pelo fato de ser considerado um ponto fora da curva, uma rara exceção.

    Liberais não acreditam em duas coisas, desenvolvimento econômico promovido pelo governo, uma má ideia; e políticos milagreiros que se dizem salvadores da pátria, esses que se veem como seres iluminados, prontos para resolver os problemas da população, centralizando o poder no estado, sob o pretexto de prover tudo o que o povo necessita.
    Essa é uma combinação fatal, más ideias e maus políticos, que resultam invariavelmente no oposto daquilo que pregam, a destruição da pátria.
    Esses que têm a capacidade ímpar de drenar toda vivacidade contida na alma daqueles que fazem uma sociedade ser próspera. Que exorcizam o espírito que move o indivíduo a criar e manter os valores com os quais buscará e encontrará a sua própria felicidade.
    Vejam os governo passados. Há décadas e mais décadas, os governantes desperdiçam nossos recursos, endividando-nos cada vez mais, comprometendo o nosso presente e o futuro dos nossos filhos.
    A rigor, nas últimas décadas, não houve quem se salvasse. Nenhum dos governantes que passaram pelo Piratini ousaram revolucionar a relação do governo com a sociedade, devolvendo a ela a primazia e o protagonismo que lhe cabe.
    Pelo contrário, se houve quem se destacasse, esses foram governadores petistas, que conseguiram superar a todos, destruindo deliberadamente as finanças públicas, espantando o investimento privado e aniquilando as chances do combalido setor produtivo de sustentar o voraz setor público, com sua obesidade mórbida a afundar a economia do estado, dos empreendedores e seus empregados.
    Acompanhando a trajetória do nosso estado por todos esses anos de penúria, tenho que admitir a falta que nos faz um salvador da pátria.

    Não me refiro a esses verborrágicos cavalheiros que se postam com dedo em riste, com punho cerrado, a prometerem mentiras em altos brados.
    Nem aos que paparicam paternalmente o povo, olhando hipnoticamente em seus olhos vidrados, encantados como vira-latas esperando um pedacinho de osso ou um simples afago.

    Tampouco a esses populistas que dizem estar se sacrificando, fingindo estarem cortando na própria carne, quando ao final do mês, por cima ou por baixo dos panos, recebem polpudos cheques, malas cheias de dinheiro ou transferências eletrônicas de fundos, que seguem para paraísos fiscais de onde não se sabe mais o paradeiro.
    Não falo desses demagogos que gozam de impensáveis privilégios custeados pelo pobre cidadão comum, enquanto infernizam a vida dos pagadores de impostos com uma devastadora carga tributária, a cada ano mais complexa e sempre ampliada.
    Esqueçam esses heróis de araque ou falsos mártires que se esmeram em controlar a vida alheia, impondo regulação asfixiante de deixar os mais criativos e empreendedores imobilizados, ou então, de malas prontas para abandonar o barco.
     O que faz alguém ser um verdadeiro salvador da pátria?
    Ideias corretas adotadas com convicção, por quem tem vontade e sustentação política, para colocá-las em prática.

    Eu acredito que podemos encontrar um salvador da pátria.
    Aquele cara que vê na livre iniciativa e na propriedade privada, os pilares indispensáveis para uma sociedade civilizada que deseja construir ela própria o seu caminho para a felicidade.
    Salvador da pátria é aquele governante que sabe que não resolve nenhum problema sozinho.
    É aquele sujeito racional, honesto e íntegro, convicto de que o governo, para o bem geral do povo e felicidade geral da nação, deve sair do caminho.

FRASE DO DIA

O tempo coloca cada um no seu lugar. Cada rei ou rainha no seu trono e cada palhaço no seu circo.