Artigos Anteriores

A BOLHA DAS COMMODITIES

ANO XIV - Nº 007/14 -

LÓGICA DOS MERCADOS

Assim como a demanda por cimento e outros materiais de construção só acontece quando o mercado imobiliário fica mais aquecido, as demais commodities obedecem a mesma lógica.

ECONOMIAS ESTAGNADAS

Ora, como as economias mais desenvolvidas estão estagnadas, ou com crescimento muito próximo de zero, o preço das matérias primas ? commodities ? não teriam como subir. Afinal, quando a demanda se mostra reduzida, pela lógica os preços não tem como subir.

PETRÓLEO

Pois, o que se viu até agora, depois do estouro da bolha de crédito, foi uma constante elevação dos preços dos minerais e vegetais nas bolsas de futuros do mundo todo. Com destaque especial para o petróleo, face ao interesse popular por esta commodity.

BOLHA?

Como na semana passada os preços das commodities que mais vem sendo acompanhadas pelo mercado apresentaram quedas substanciais, a primeira frase que foi estampada disse o seguinte: estamos diante de uma nova bolha?

CONSUMO BAIXO

Analisando pelo lado do consumo real das commodities, em termos físicos, a demanda não vinha aumentando significativamente. Coisa suficiente para segurar os preços e, logicamente, impedir altas importantes das cotações nas bolsas.

INSIGNIFICANTE

O problema, no entanto, é que a comercialização física é, simplesmente, insignificante, diante do volume de contratos negociados nas bolsas de futuros. Como as taxas de juros estão muito baixas nos países em que a poupança é significativa, uma parcela enorme de recursos foi parar nos mercados futuros.

OPERAÇÕES ESTRUTURADAS

Muitos investidores/especuladores sequer conhecem ou tiveram contato com mercadorias de qualquer tipo. Entram no mercado seduzidos por operações estruturadas nos mercados financeiros, onde os contratos futuros de compra de commodities estão sendo utilizados para alavancar os retornos de investimentos.

DAS DUAS UMA

Considerando que os mercados, por essência, são voláteis, tanto a alta como a baixa dos preços é absolutamente normal. Tudo depende da oferta e da demanda dos ativos comercializados. Daí, quem entende que a corda está muito esticada pelo lado da alta dos preços, das duas uma: 1- cai fora do mercado; ou, 2- passa a apostar na queda. Para tanto basta começar a vender contratos, esperando que, pelo volume oferecido, as cotações recuem. Na semana passada o mercado deu esta pista. É coerente pensar assim, mas, em se tratando de um mercado nervoso ainda é cedo para afirmar que a tendência agora é de queda das cotações. Se isto acontecer, aí sim estaremos diante de uma nova bolha. A bolha das commodities.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • LANÇAMENTO
    A AlphaVille Urbanismo fará um encontro, seguido de jantar, na próxima quarta-feira, dia 11, para apresentação do primeiro condomínio de residências da AlphaVille no país, que será na Zona Sul de Porto Alegre.
  • PALESTRA
    A Faculdade de Tecnologia Senac-RS preparou uma atividade para quem deseja organizar o seu dia a dia. A palestra Qualidade de Vida e Administração do Tempo será realizada no dia 19 de maio, às 15h no auditório I da Faculdade (Rua Coronel Genuíno, 358 ? Porto Alegre). A palestra irá abordar temas como ferramentas de gestão de tempo, a arte de delegar, criação de visão pró-ativa, entre outros.A entrada é gratuita. Mais informações pelo telefone: (51) 3022-1044.
  • REUNIÃO
    A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) promoverá um encontro com a Bancada Federal gaúcha hoje, 9, às 13h, na sede da entidade, em Porto Alegre. De acordo com o presidente da FIERGS, Paulo Tigre, o objetivo é tratar dos temas que mais impactam a competitividade e o desenvolvimento do setor industrial gaúcho e que estão em tramitação no Congresso Nacional.
  • ESPM
    A ESPM-Sul realiza, nesta segunda, 09, o lançamento do ESPM+Saber. O evento acontece na Fundação Iberê Camargo, às 19h. Na ocasião, serão apresentados os cursos especialmente elaborados para profissionais, estudantes e interessados em assuntos específicos da área cultural.

FRASE DO DIA

AS PESSOAS SÓ ACREDITAM NO QUE É AGRADÁVEL ACREDITAR.

Napoleão Bonaparte