Artigos Anteriores

30% DE LIBERDADE

ANO XIV - Nº 007/14 -

A CONTA GOTAS

A mudança na legislação cambial no Brasil, apresentada ontem pelo governo, em forma de Medida Provisória, só pode ser considerada um avanço se comparada com a burra lei vigente até então. De forma isolada e diante do que é preciso não passa de uma forma tímida de oferecer alguma liberdade aos exportadores.

MALDITA CPMF

A principal razão para a timidez apresentada em forma de lei, a qual ofereceu meros 30% de liberdade para os exportadores fazerem o que bem entendem com os dólares recebidos por suas vendas, é a maldita CPMF. Depois que o governo provou esta estúpida, porém eficaz, forma de arrecadar, ficou preso a ela de tal maneira que não consegue mais evitá-la.

PRESSÃO DE VENDA

Tenho dito e repetido que o maior responsável pela valorização do real tem sido o exportador. Por ser compulsório e imediato o fechamento do câmbio, quanto maior a exportação, maior a pressão de venda dos dólares. O que promove a sua desvalorização, que, por conseqüência, é a valorização da nossa moeda.

RENDIMENTO FINANCEIRO

Deixando de pressionar tanto, o mercado até pode ficar mais calmo, com menores valorizações do real. Mas, pela timidez da medida, com só 30% de liberdade, o mais provável é que não melhore tanto a cotação da moeda. Até porque o rendimento financeiro aqui no Brasil, por ser superior ao do mercado externo, continuará contribuindo para o fechamento imediato do câmbio.

FIM DA PICADA

Para fechar: a nova lei cambial serve também para mostrar o quando os brasileiros têm dificuldade para conseguir algum tipo de liberdade. Quando ela acontece é sempre pequena. Uma condicional, por assim dizer. Muito vigiada e dependendo de bom comportamento para não deixar de existir. E no caso específico do câmbio, pela existência de um imposto que se mostra impossível de ser revogado. É o fim da picada.

AMARRAS

Os exportadores, os importadores e os empresários brasileiros em geral não sabem se manifestar corretamente. Não insistem em expor que tudo aquilo que promove o nosso pobre fluxo internacional é por razões de baixa competitividade. O nosso custo é extremamente elevado, se comparado com qualquer país do mundo. Principalmente com a China, o desafeto mais referido e pronunciado pelos brasileiros invejosos. Se alguma coisa ainda for feita com o choro demonstrado, visando diminuir o tal custo Brasil, com certeza vamos obter algo como 30% do que é necessário.

AGENDA ESTRATÉGICA

O presidente da Fiergs, Paulo Tigre, será o palestrante da reunião-almoço do Sinduscon/RS, às 12h30min da próxima segunda-feira, 31, na sede da entidade, em Porto Alegre. Falará sobre o tema \"Agenda Estratégica - O Rio Grande que Queremos\". Informações: fone (51) 3021.3440.

BALANÇO ANUAL

O Porto Alegre Convention & Visitors Bureau (POAC&VB) apresentará terça-feira, dia 1º de agosto, a sua nova diretoria, que assumiu em abril deste ano. A ocasião contará com coletiva de imprensa durante café da manhã, a partir das 8h30min, no Salão Brasília (4º andar) do Sheraton Porto Alegre. Entre os assuntos que integram a pauta do encontro, estão o balanço anual de 2005 e a apresentação do plano de atividades programado até 2008.

PENSAMENTO CORRETO

O presidente da Farsul, Carlos Sperotto, considera que a suspensão das negociações na Rodada de Doha, da OMC, sofreu influência decisiva da entrada da Venezuela no Mercosul. Segundo Sperotto, o Brasil recebeu o troco pela parceria. E lamentou que não tenha sido levada em conta a advertência feita pela Federação das Associações Rurais do Mercosul (Grupo FARM) de que as negociações com a União Européia e os acordos com os EUA seriam seriamente afetados com a presença da Venezuela no bloco. Sperotto disse que \"foi um puxão de orelha\" e ficou claro que \"com esses parceiros não haverá negociação\". Para ele, a partir desse fato \"é necessário aprender, olhar com clareza o que está ocorrendo na América do Sul\". O presidente da Farsul considera que foi perdido todo o espaço que havia sido ganho na compensação dos subsídios concedidos aos produtores de países ricos.

MAIS LEMBRADA

A Aracruz Celulose está entre as dez empresas mais lembradas pela população do Espírito Santo, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Futura. O resultado da enquete foi divulgado hoje no caderno Recall de Marcas, do jornal A Gazeta. Em um local batizado de ?Galeria Aracruz?, 4 cartunistas capixabas fizeram caricaturas dos participantes em folhas de celulose.

MERCOPAR

O sucesso da Feira de Subcontratação e Integração Industrial (Mercopar 2006) pode ser medido pela comercialização de espaços para os expositores. Os 295 estandes foram vendidos em apenas três meses, metade do tempo utilizado na edição de 2005. A 15a. edição da mostra, que acontece de 03 a 06 de outubro no Centro de Feiras e Eventos da Festa da Uva em Caxias do Sul, tem ainda uma lista de espera de 20 empresas interessadas em fazer negócios.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

FRASE DO DIA

O homem não é atingido pelo que acontece, e sim por sua opinião sobre o que acontece.

M. Montaigne