Artigos Anteriores

10 ANOS COMPLETADOS - ENTRANDO NO ANO 11

ANO XIV - Nº 007/14 -

TRADIÇÃO

Tradicionalmente, o editorial de aniversário do Ponto Crítico, a cada dia 11 de outubro, é reservado para as justas homenagens a Roberto Campos, grande inspirador deste meio de comunicação e defensor incondicional do pensamento liberal.

HOMENAGEM

Desta vez, no entanto, ao invés de publicar um dos seus fantásticos textos, presto a minha homenagem a Roberto Campos em forma de mensagem. Como, ao se despedir do mundo dos vivos, Campos não forneceu o seu novo e-mail, do além, e o Google mostra enorme dificuldade para tanto, resta a esperança de que ele acesse, onde quer que esteja, o site do Ponto Crítico.

CONTINUIDADE

Antes de tudo, caro mestre de tantas entrevistas que me concedeu ao longo de sua vida nos programas de televisão que apresentei, imagino que o senhor saiba que o PONTO CRITICO nasceu dois dias após o seu falecimento, ocorrido há 10 anos, em 09 de outubro de 2001. Com a sua partida, para dar continuidade à pregação do pensamento liberal, munido de grande humildade tratei de postar, no dia 11 de outubro de 2001, na recém criada Home Page, o primeiro editorial do Ponto Crítico.

EM 2001

Lá em 2001, pouco antes de sua retirada, o senhor se mostrava, embora timidamente, razoavelmente animado com os destinos do Brasil. Com razão, pois o país já andava na direção de uma maior abertura econômica. Além disso, mesmo que por necessidade e menos por convencimento, o governo FHC já havia se rendido a algumas privatizações.

REFORMAS

Lembro que poucos dias antes de falecer, num de seus artigos o senhor admitiu que, a continuar nesta toada o Brasil acabaria se rendendo às necessárias e propaladas reformas (Trabalhista, Previdenciária, Fiscal e Tributária).

A PARTIR DE 2002

Isto, infelizmente, não passou de um sonho, meu caro e saudoso Roberto Campos. Se os mortos, como muitos imaginam, têm a possibilidade de espreitar tudo que acontece aqui, na Terra, o senhor deve estar se lamentando com certas coisas que, de forma paulatina, foram acontecendo, a partir de 2002, quando Lula foi eleito presidente do Brasil.

ONDE FOI QUE EU ERREI?

Ao longo desta última década, algumas são de deixar até os mortos horrorizados, como:1- o forte envolvimento do governo numa torrente sem fim de escabrosos casos de corrupção;2- a tentativa incessante de supressão da liberdade de expressão; e,3- depois de passar por um período de maior abertura, o Brasil volta a trilhar o caminho das trevas, do fechamento. Para tanto promove constantes intervenções na iniciativa empresarial privada e na vida dos cidadãos. Um horror que já parecia afastado.

GRAMSCI

Obedecendo, ipsis literis, a cartilha Gramscista, Dilma, de forma lenta, gradual e segura, já liquidou com a Matriz Globalizante. Com isso o Brasil ressuscitou a velha e surrada Matriz Nacional-Desenvolvimentista, mais conhecida como Nacionalismo do Atraso.

CARÍCIAS AOS PRODUTORES

Para marcar a decisão, Dilma usou como pretexto a defesa da indústria nacional. Pode, meu caro Campos? Contou, obviamente, com o forte e indispensável apoio de grandes empresários mercantilistas, que detestam concorrência externa. Com isso, como o senhor deve saber, Dilma golpeou os consumidores com carícias aos produtores. Os representantes da indústria (que cada vez emprega menos mão de obra face ao crescimento da automatização), mesmo inconformados com a fantástica Carga Tributária que assola o país, ao invés da redução do Custo-Brasil exigiram maior tributação aos produtos importados.

ALGUMA DICA?

Diante desses descalabros, caro Roberto Campos, admito que muito disso seja fruto da minha incompetência. Os meus editoriais, além de insuficientes para mostrar o quanto as reformas são necessárias, também não produziram efeito contra a onda de corrupção e a volta ao passado. Onde foi que eu errei? O senhor pode me dar alguma dica?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • AGRADECIMENTOS
    A Equipe do Ponto Crítico, formado pelas incansáveis Lúcia Pedroso, Cristina Sacks e por Pedro Trautmann e este editor agradece aos anunciantes, pela escolha deste meio de comunicação para divulgar seus produtos e serviços; aos leitores/assinantes pelo prestígio, confiança e acompanhamento. Somos muito gratos.
  • CUMPRIMENTOS
    Desde já, enquanto não param de chover mensagens de cumprimentos pelos 10 anos do Ponto Crítico, agradecemos o carinho e as palavras de incentivo. Grato, gente.
  • INSPIRADOR, APOIO E CONSAGRAÇÃO
    Se Roberto Campos serviu de inspirador desta e-opinion, os apoiadores a tornaram viável e os leitores/assinantes, por pura vontade, consagraram o meio ao longo da década. Nossos agradecimentos a todos.
  • ANO 11
    Conforme já informado, ao encerrar o Ano 10, o Ponto Crítico entra no seu Ano 11 a partir de hoje. Enquanto a página ganha modificações, a linha editorial permanece intocável. Prometo continuar firme e fiel ao liberalismo. Um beijo a todos.

FRASE DO DIA

A PAZ, SE POSSÍVEL. MAS, A VERDADE A QUALQUER PREÇO.

Lutero