INVESTIDORES ESTÃO ARISCOS

INTERESSE

Todos os estudos e indicadores econômicos que vem sendo divulgados pelos mais diversos institutos deixam bem claro o quanto os investidores voltaram a mostrar, a partir de meados de 2016 (quando Dilma foi afastada)  algum interesse em voltar a investir no Brasil. 

TRÊS DECISÕES

Este apetite, vale o registro, aflorou a partir de três importantes decisões tomadas pelo atual governo: 1- o sepultamento da macabra Matriz Econômica Bolivariana; e, 2- um  razoável programa de privatizações; e, 3- a proposição de algumas reformas constitucionais.

BOA VONTADE

Como o estrago promovido pelos governos petistas Lula/Dilma foi monumental, por mais que queiramos que as coisas se consertem rapidamente é importante levar em conta que, independente de uma necessária boa  vontade dos nossos parlamentares (Legislativo) e dos nossos juízes (Judiciário), coisa que não parece nada provável, colocar o país na rota correta do crescimento é tarefa para, no mínimo, cinco anos.  

TERMÔMETRO

Assim como o termômetro mede a febre e, por consequência, o ânimo das pessoas, o índice da Bolsa de Valores identifica o ânimo e a confiança dos investidores. E, como temos assistido nos últimos dias, semanas e meses, por mais que a confiança esteja dando o bom ar da graça, a volatilidade de preços das ações das empresas servem para mostrar o quanto os investidores estão ariscos.

PESQUISAS ELEITORAIS

Como estamos às vésperas de 2018, ano que será intensamente dedicado às eleições, o que vai assumir o lugar de retratar o ânimo, a crença e a confiança dos investidores são as preferências dos eleitores, através das constantes e diversas pesquisas eleitorais. 

FIM DOS PRIVILÉGIOS

Até lá, o que mais o Brasil precisa é fazer, o quanto pode, todas as reformas que estão pendentes desde o descobrimento. Confesso que não espero muito, mas me esforçarei ao máximo para que alguma coisa venha a ser aprovada. Notadamente pelo FIM DOS PRIVILÉGIOS. Só isto já seria muito promissor para que o Brasil seja uma país mais justo. 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • SERVIÇOS

    Em setembro, o setor de serviços manteve-se praticamente estável em relação a agosto (série com ajuste sazonal), com um ligeiro recuo de 0,3% no volume de serviços prestados, após recuos de 1,0% em agosto e 0,8% em julho. Na comparação com setembro de 2016 (série sem ajuste sazonal), o volume de serviços prestados teve queda de 3,2%, mantendo a sequência de taxas negativas, desde abril de 2015. Com esses resultados, a taxa acumulada no ano ficou em -3,7% e, em 12 meses, -4,3%.

  • ESPAÇO PENSAR+

    Eis o artigo do pensador e vereador de Porto Alegre, Felipe Camozzato (Novo), com o título: PPPs: do 'não pode' ao 'vai lá e faz'.

    "Insanidade é fazer sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes." Essa frase, normalmente atribuída a Einstein, explica o que está em jogo na discussão de uma alteração legislativa em trâmite na Câmara Municipal de Porto Alegre que visa a permitir parcerias com a iniciativa privada nas áreas de água e esgoto. Atualmente, a cidade não consegue atingir a universalização desses serviços porque não tem dinheiro em caixa para os investimentos necessários. Porém, eventual iniciativa que busque na sociedade um parceiro para a expansão da rede esbarra em um problema prático: a Lei Orgânica do Município (a "Constituição municipal") proíbe desde 2001 a contratualização ou delegação desses serviços à iniciativa privada. Estima-se que o custo dessa universalização - obrigatória por lei até 2035 - seja de aproximadamente R$ 2,7 bilhões. É para isso que se está buscando uma solução junto à sociedade, permitindo que as obras sejam feitas e dando acesso ao tratamento de esgoto e água potável para todos. Sem a alteração legal proposta pela prefeitura, isso não será possível, pois a vedação criada em 2001 - por proposta de vereador do PT - impede contratos de concessão ou parceria público-privada. Não se trata de privatizar a água e o esgoto; busca-se permitir a construção de modelos de parceria modernos - não aqueles em que o lucro é privado, mas o risco e o prejuízo são públicos - que garantam o acesso ao serviço para toda a população. Mesmo com lucros, o Dmae não consegue chegar perto do aporte necessário. É muito mais do que a prefeitura tem e pode vir a ter em caixa. Parcerias bem delineadas, prevendo contrapartidas claras, com garantias de execução e controle e transparência fortes são a única maneira de viabilizar melhores serviços. Com menos "não pode" e mais "vai lá e faz" teremos uma Porto Alegre admirada. - Jornal do Comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/11/opiniao/596628-ppps-do-nao-pode-ao-vai-la-e-faz.html)

  • DIA DE AÇÃO DE GRAÇAS

    De 20 a 25 de novembro, o Porto Alegre Bistrô recebe o Festival de Tortas, que apresenta no cardápio de sobremesas do buffet ou especial do dia, três sabores das tradicionais pies americanas: a torta de maçã com farofa crocante (ducht apple pie), a torta de abóbora (pumpkin pie) e a torta de nozes (pecan pie). Todas as opções serão acompanhadas por sorvete de creme.

    Já no dia 23 de novembro, o restaurante do Sheraton Porto Alegre promove um almoço e um jantar especial com cardápio típico. No almoço, os visitantes poderão encontrar pratos norte-americanos como purê de batatas com molho e vagens com creme de cogumelos, além do trio de tortas de sobremesa. Já para o jantar, o menu traz pão de milho servido com honey butter e salada tipo cobb como entrada, e peru, purê de batatas, vagens e cebola frita, molho de cranberries, cenoura glaceada e musseline de abóbora com marshmallows como prato principal. A sobremesa do jantar fica por conta das tortas
     Reservas podem ser realizadas pelo email : portoalegrebistro@sheraton.com  ou através do telefone (51) 2121.6060. Como cortesia, os clientes do restaurante ganham isenção de três horas de estacionamento.

FRASE DO DIA

Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo e bem feito.

Pitágoras