MENTIRAS EM PROFUSÃO

FAKE NEWS

Li, de cabo a rabo, a revista Veja desta semana, cuja edição está repleta de informações não só interessantes como esclarecedoras. Uma delas fala do software -statcheck-, que além de ser instrumento que detecta erros em artigos científicos, já está evoluindo para flagrar fraudes e/ou identificação das FAKE NEWS (notícias falsas). 

PENSAR+

Aliás, o tema me chamou a atenção porque casa, perfeitamente, com os motivos que levaram à criação do PENSAR+, qual seja a necessidade de produzir conteúdos que tenham como princípio o ESCLARECIMENTO com base no RACIOCÍNIO LÓGICO e na correta relação CAUSA/EFEITO sobre tudo que acontece ao nosso redor.

 

ESTUDO DA UNIVERSIDADE DE MASSACHUSETTS

Segundo informa um estudo produzido por psicólogos da Universidade de Massachusetts (EUA), seis em cada dez pessoas não conseguem manter uma conversa de dez minutos sem mentir (ou tentar enganar) ao menos uma vez.

 

DOUTRINAS IDEOLÓGICAS

Com o advento das redes sociais, que abrigam bilhões de seguidores no mundo todo, esta estatística escancara ainda mais o quanto ganham força as mais diversas falsidades. E o lugar mais fértil para tanto são as mentes daqueles que tem baixa capacidade de raciocínio, que são as grandes vítimas do estrago proporcionado pelas doutrinas ideológicas, que crescem sem parar. 

JORNAIS

É importante observar que os JORNAIS surgiram no mundo com o propósito de publicar e transmitir, de forma organizada, edições produzidas em páginas de papel, as notícias dos fatos e assuntos do dia a dia do país e do mundo. 

COM A MESMA INTENSIDADE

Hoje, mais do que nunca, os JORNAIS perderam espaço e função, pois quem, literalmente, tomou conta da informação foram as REDES SOCIAIS. Ou seja, pagam o preço da INSTANTANEIDADE. Com isso, os meios de comunicação, como que querendo competir com as REDES, ficaram impedidos de checar todas as informações que leem e/ou recebem. O que vale dizer que mentem com intensidade igual àqueles que postam coisas falsas nas Redes Sociais.  

SEM IMPORTÂNCIA

Mais: diante desta pura e irretocável realidade, os jornais, e por consequência seus jornalistas, deixaram de ter importância, pois apenas passaram a concorrer com todos aqueles que estão mais próximos dos acontecimentos e/ou chegam lá primeiro. Além disso, por formação, a maioria dos jornalistas estão se afundando pelo uso constante, da IDEOLOGIA DO ATRASO, na tentativa de convencer seus leitores, ouvintes e telespectadores.  

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • BALANÇO DE PAGAMENTOS

    Eis a boa análise feita pelo pensador Ricardo Bergamini, sobre o Balanço de Pagamentos 2016:

    O BALANÇO DE PAGAMENTOS é composto do saldo de transações correntes que apura os movimentos correntes em moeda estrangeira de um país, tais como: exportações, importações, viagens, transportes, juros, lucros, dividendos, aluguéis de equipamentos, dentre outros, que totalizou nos 6 anos do governo Dilma/Temer um déficit da ordem de US$ 361,4 bilhões.

    O outro grupo de apuração do balanço de pagamentos é o denominado de CONTAS DE CAPITAL E FINANCEIRA, formado por investimentos do Brasil no exterior e do exterior no Brasil, além dos empréstimos e financiamentos do Brasil no exterior e do exterior no Brasil, que nos 6 anos do governo Dilma/Temer apresentou superávit da ordem de US$ 431,5 bilhões.

    Mesmo para um primário no tema é capaz de observar que algo muito errado está ocorrendo com o nosso balanço de pagamentos, ou seja: nosso comércio internacional não está se equilibrando, dependendo do fluxo financeiro e de capital para fechar. Isso quer dizer que estamos vivendo uma crise cambial de balanço de pagamentos, apesar do saldo de reservas em moeda estrangeira da ordem de US$ 367,7 bilhões apurados 31/12/16, já que a sua formação não foi conquistada pelo comércio internacional (recursos próprios), mas sim com empréstimos, financiamentos e investimentos (recursos de terceiros), vulneráveis às crises internacionais.

    Em 31 de dezembro de 2016 o Banco Central registrou uma DÍVIDA EXTERNA BRUTA (pública e privada) da ordem de US$ 688,5 bilhões. Cabe lembrar que o devedor da moeda estrangeira, mesmo da dívida privada é o Banco Central, visto que a moeda estrangeira é obrigatória a ser vendida para o Banco Central.

    Em vista do exposto fica claro que o Brasil não possui reserva própria, mas sim um saldo devedor de U$ 320,8 bilhões que custa ao Brasil em reais 13,00% ao ano, enquanto recebe pela aplicação dos dólares uma remuneração média de apenas 0,25% ao ano.

  • ESTA SEMANA PROMETE

    Na próxima 4ª feira, 22, o Comitê de Política Monetária (Copom), informa a nova Taxa Selic. A expectativa é de um novo corte.

    Também na quarta-feira sai o IPCA-15 de fevereiro, prévia da inflação do mês. O Focus de hoje mostra nova queda nas projeções do IPCA para este ano, ficando em 4,43%. Um mês atrás, a inflação esperada era de 4,71%.

    Ainda ao longo da semana são esperados os dados do Caged sobre o mercado de trabalho, o indicador de inflação IGP-M de fevereiro e a Pnad contínua de janeiro.  

  • PENSAR+CONTEÚDO - NO FACEBOOK

    Para dar maior visibilidade aos conteúdos produzidos pelos pensadores, a partir da agora é possível ler  no Facebook, na conta PENSAR+ CONTEÚDO. Como bem propõe a Carta de Princípios do Pensar+, quanto mais compartilhamentos dos conteúdos com  maiores esclarecimentos e a correta relação CAUSA/EFEITO, melhor para todos. Entra lá para curtir, comentar, compartilhar e convidar amigos. 

  • A IMPORTÂNCIA DA LAVA-JATO

    O Procurador da República, Deltan Dallagnol, da Força Tarefa da Lava-Jato, compartilhou a Análise de José Padilha, colunista de O Globo, sobre o Mecanismo de Exploração da Sociedade Brasileira (aquilo que todos nós já sabemos mas que agora está bem explícito).

    "A IMPORTÂNCIA DA LAVA-JATO -

    Vinte e sete enunciados sobre a oportunidade de desmontar o mecanismo de exploração da sociedade brasileira:

    1) Na base do sistema político brasileiro, opera um mecanismo de exploração da sociedade por quadrilhas formadas por fornecedores do Estado e grandes partidos políticos. (Em meu último artigo, intitulado Desobediência Civil, descrevi como este mecanismo exploratório opera. Adiante, me refiro a ele apenas como “o mecanismo”.)

    2) O mecanismo opera em todas as esferas do setor público: no Legislativo, no Executivo, no governo federal, nos estados e nos municípios.

    3) No Executivo, ele opera via superfaturamento de obras e de serviços prestados ao estado e às empresas estatais.

    4) No Legislativo, ele opera via a formulação de legislações que dão vantagens indevidas a grupos empresariais dispostos a pagar por elas.

    5) O mecanismo existe à revelia da ideologia.

    6) O mecanismo viabilizou a eleição de todos os governos brasileiros desde a retomada das eleições diretas, sejam eles de esquerda ou de direita.

    7) Foi o mecanismo quem elegeu o PMDB, o DEM, o PSDB e o PT. Foi o mecanismo quem elegeu José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

    8) No sistema político brasileiro, a ideologia está limitada pelo mecanismo: ela pode balizar políticas públicas, mas somente quando estas políticas não interferem com o funcionamento do mecanismo.

    9) O mecanismo opera uma seleção: políticos que não aderem a ele têm poucos recursos para fazer campanhas eleitorais e raramente são eleitos.

    10) A seleção operada pelo mecanismo é ética e moral: políticos que têm valores incompatíveis com a corrupção tendem a ser eliminados do sistema político brasileiro pelo mecanismo.

    11) O mecanismo impõe uma barreira para a entrada de pessoas inteligentes e honestas na política nacional, posto que as pessoas inteligentes entendem como ele funciona e as pessoas honestas não o aceitam.

    12) A maioria dos políticos brasileiros tem baixos padrões morais e éticos. (Não se sabe se isto decorre do mecanismo, ou se o mecanismo decorre disto. Sabe-se, todavia, que na vigência do mecanismo este sempre será o caso.)

    13) A administração pública brasileira se constitui a partir de acordos relativos a repartição dos recursos desviados pelo mecanismo.

    14) Um político que chega ao poder pode fazer mudanças administrativas no país, mas somente quando estas mudanças não colocam em xeque o funcionamento do mecanismo.

    15) Um político honesto que porventura chegue ao poder e tente fazer mudanças administrativas e legais que vão contra o mecanismo terá contra ele a maioria dos membros da sua classe.

    16) A eficiência e a transparência estão em contradição com o mecanismo.

    17) Resulta daí que na vigência do mecanismo o Estado brasileiro jamais poderá ser eficiente no controle dos gastos públicos.

    18) As políticas econômicas e as práticas administrativas que levam ao crescimento econômico sustentável são, portanto, incompatíveis com o mecanismo, que tende a gerar um estado cronicamente deficitário.

    19) Embora o mecanismo não possa conviver com um Estado eficiente, ele também não pode deixar o Estado falir. Se o Estado falir o mecanismo morre.

    20) A combinação destes dois fatores faz com que a economia brasileira tenha períodos de crescimento baixos, seguidos de crise fiscal, seguidos de ajustes que visam conter os gastos públicos, seguidos de novos períodos de crescimento baixo, seguidos de nova crise fiscal...

    21) Como as leis são feitas por congressistas corruptos, e os magistrados das cortes superiores são indicados por políticos eleitos pelo mecanismo, é natural que tanto a lei quanto os magistrados das instâncias superiores tendam a ser lenientes com a corrupção. (Pense no foro privilegiado. Pense no fato de que apesar de mais de 500 parlamentares terem sido investigados pelo STF desde 1998, a primeira condenação só tenha ocorrido em 2010.)

    22) A operação Lava-Jato só foi possível por causa de uma conjunção improvável de fatores: um governo extremamente incompetente e fragilizado diante da derrocada econômica que causou, uma bobeada do parlamento que não percebeu que a legislação que operacionalizou a delação premiada era incompatível com o mecanismo, e o fato de que uma investigação potencialmente explosiva caiu nas mãos de uma equipe de investigadores, procuradores e de juízes, rígida, competente e com bastante sorte.

    23) Não é certo que a Lava-Jato vai promover o desmonte do mecanismo. As forças políticas e jurídicas contrárias são significativas.

    24) O Brasil atual está sendo administrado por um grupo de políticos especializados em operar o mecanismo, e que quer mantê-lo funcionando.

    25) O desmonte definitivo do mecanismo é mais importante para o Brasil do que a estabilidade econômica de curto prazo.

    26) Sem forte mobilização popular, é improvável que a Lava-Jato promova o desmonte do mecanismo.

    27) Se o desmonte do mecanismo não decorrer da Lava-Jato, os políticos vão alterar a lei, e o Brasil terá que conviver com o mecanismo por um longo tempo."
     

  • SPOTIFY

    O Spotify do Bourbon Shopping já está em clima de Carnaval às vésperas da maior festa popular brasileira. O canal da rede de shoppings acaba de disponibilizar uma playlist temática para a data, com músicas para agradar a todos os tipos de foliões. 
    Lançado em agosto de 2016, o canal já conta com 150 mil visitas e prima por playlists que destacam datas comemorativas, como Natal, e épocas festivas do ano, como o verão e a primavera. Quinzenalmente, o canal é abastecido com uma nova playlist que pode ser acessada no link open.spotify.com/user/bourbonshopping.
     

FRASE DO DIA

Insista, persista e nunca desista.